Para continuar independente, a Recorte conta com o apoio de Conheça Plau
Menu
11 de fevereiro de 2021

Tristes verdades

Capa do livro Políticas do Design, publicado no Brasil pela Ubu

Políticas do Design é uma leitura reveladora e, por vezes, desconfortável. Publicado originalmente em 2016 e recém-traduzido para o português, trata-se de um livro pequeno que faz uma grande reivindicação: ‘este livro não é sobre design de propaganda política ou de partidos, mas reconhece que todo design é político’. 

Por inúmeros exemplos, Ruben Pater nos mostra que a ignorância cultural, estereótipos arraigados e preconceitos pessoais podem se infiltrar nos atos mais bem-intencionados. Se o ponto, a linha e o plano são os alicerces clássicos do design gráfico, a primeira grande contribuição de Políticas do Design está no sumário — os 61 artigos que compõem o livro são organizados em capítulos/seções que correspondem aos princípios formais da disciplina: Linguagem e tipografia, Cor e contraste, Imagem e fotografia, Símbolos e ícones, e Infografismo. Essa estrutura reforça sutilmente a mensagem de que mesmo os aspectos mais banais da prática do design gráfico trazem consequências significativamente políticas.

Cada texto fornece uma pequena gota de iluminação. Pater fornece insights sobre tópicos que estão em qualquer manual básico de comunicação visual: perspectiva, psicologia das cores, leitura de imagens, mapas, gráficos, a distinção entre pictogramas e ideogramas. A diferença é que agora as dimensões políticas estão escancaradas e nem sempre a imagem que nós designers fazemos de nós mesmos é agradável.

Muito se fala de uma prática social do design, por vezes entendida como uma espécie de armadura para enfrentar uma ‘força do mal’ externa a tudo que diz respeito à nossa prática. Os adeptos dessa crença acreditam que o design tem o poder de lutar contra as desigualdades da humanidade, mas parecem ignorar os conflitos internos do nosso campo profissional. É fácil fazer uma exposição de cartazes contra a desigualdade… Difícil é ter que lidar com o fato de que toda a vez que ouvimos ‘um bom designer precisa ter boas referências visuais’ expõe o caráter elitista da nossa profissão. À medida que avançamos a leitura, fica mais claro que tudo o que você faz como pessoa, como cidadão, não é muito diferente do que você faz enquanto designer.

Esse livro não tem por objetivo ensinar como fazer boas ações, mas acaba por colocar um espelho bem na nossa cara. É um convite ao exame crítico da nossa prática cotidiana para encontrar as dimensões políticas que sempre estiveram presentes, mas para as quais estamos cegos.

Retrato do autor Ruben Pater por Maria Júlia Rêgo para o Clube do livro

Este texto foi publicado originalmente como leitura complementar do mês de junho de 2020 do Clube do Livro do Design. O Clube, realizado por Tereza Bettinardi, promove debates mensais a partir da literatura do Design.

Tereza Bettinardi atua desde 2014 em seu próprio estúdio em São Paulo e tem quase 15 anos de experiência na profissão. Foi professora em diversas instituições de ensino de design e em 2020 fundou o Clube do Livro do Design, projeto que já reuniu mais de 300 participantes.
Ajude a Recorte a continuar independente. Contribua com o valor que puder
Assine a Recorte
Ler a Recorte pelo site é ótimo, mas imagina receber a edição anual impressa na sua casa? Conheça os planos de assinatura e escolha o que cabe melhor no seu bolso.